Terceirização irrestrita e mudanças no mercado de trabalho

Publicado por PUBLICAÇÃO I Site DM

Terceirização irrestrita e mudanças no mercado de trabalho
Site DM. 28/09/2018

O Bra­sil vai en­fren­tar nos pró­xi­mos dois anos um lon­go pro­ces­so de adap­ta­ção às trans­for­ma­ções ocor­ri­das no mer­ca­do de tra­ba­lho. O no­vo re­gi­me tra­ba­lhis­ta foi im­plan­ta­do em ple­no pe­rí­o­do de re­ces­são e am­pli­a­ção da ta­xa de de­sem­pre­go. A fal­ta de di­nâ­mi­ca da eco­no­mia ain­da não nos per­mi­te ver o ple­no fun­cio­na­men­to das no­vas re­gras, mas no que se re­fe­re ao de­sa­fo­gar da Jus­ti­ça Tra­ba­lhis­ta nes­te pe­rí­o­do em mai­or vo­lu­me de acio­na­men­to por con­ta da re­du­ção dos qua­dros de fun­cio­ná­rios, já é um avan­ço va­li­o­so.

A re­to­ma­da da eco­no­mia e am­pli­a­ção das con­tra­ta­ções vão am­pli­ar o uso da no­va le­gis­la­ção, ace­le­ran­do as con­tra­ta­ções. É in­co­e­ren­te que al­guns con­trá­rios ao no­vo re­gi­me co­brem que ela não ge­rou am­pli­a­ção das con­tra­ta­ções de ime­di­a­to. Ob­via­men­te, a con­tra­ta­ção por par­te das em­pre­sas es­tá vin­cu­la­da ao rit­mo da eco­no­mia e as em­pre­sas, des­ca­pi­ta­li­za­das, não am­pli­a­ram seus ne­gó­ci­os nos úl­ti­mos dois anos. Ape­sar de tu­do, o nú­me­ro de car­tei­ras as­si­na­das, só em Go­i­ás, nes­te ano, cres­ceu. Em oi­to mes­es, fo­ram mais de 40 mil no­vos em­pre­gos for­mais cri­a­dos. Tem, nes­te nú­me­ro, já in­flu­ên­cia da no­va le­gis­la­ção – pois a eco­no­mia es­tá pa­ra­li­sa­da e, mes­mo as­sim, to­dos os se­to­res re­gis­tra­ram sal­do po­si­ti­vo en­tre tra­ba­lha­do­res con­tra­ta­dos e de­mi­ti­dos.

A ten­dên­cia é de que o nú­me­ro de pes­so­as tra­ba­lhan­do cres­ça ain­da mais. A ter­cei­ri­za­ção da ati­vi­da­de-fim, apro­va­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), se­rá ou­tro ele­men­to de in­clu­são de pes­so­as no mer­ca­do de tra­ba­lho. Des­ta­co o pa­pel do en­tão de­pu­ta­do fe­de­ral, em­pre­sá­rio San­dro Ma­bel, de­ter­mi­nan­te co­mo re­la­tor e de­fen­sor des­ta lei por anos no Con­gres­so.

In­de­pen­den­te do re­gi­me, se CLT ou ter­cei­ri­za­do, é re­le­van­te que as em­pre­sas con­tra­tem e cres­çam, pa­ra ge­rar mais va­gas e re­dis­tri­bui­ção da ren­da. A ter­cei­ri­za­ção já ocor­ria em qua­se to­da eco­no­mia há anos. A le­gis­la­ção nor­ma­ti­za um fe­nô­me­no co­mum nos ne­gó­ci­os.

Com es­te ce­ná­rio elei­to­ral, te­me-se que um re­tro­ces­so nas trans­for­ma­ções já em vi­gor. Re­vo­gar o que de­mo­cra­ti­ca­men­te foi dis­cu­ti­do por dé­ca­das e apro­va­do por mai­o­ria no Con­gres­so não te­rá apoio do se­tor pú­bli­co bra­si­lei­ro. O Bra­sil dei­xou de ser um dos paí­ses mais atra­sa­dos em le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta do mun­do, o que ti­ra­va com­pe­ti­ti­vi­da­de do pro­du­to na­ci­o­nal e ato­la­va a Jus­ti­ça de pro­ces­sos, pa­ra fi­nal­men­te, tri­lhar o ca­mi­nho das de­mais eco­no­mi­as, cri­an­do fer­ra­men­tas pa­ra des­bu­ro­cra­ti­zar, pa­ci­fi­car a re­la­ção ju­rí­di­ca do con­tra­to de tra­ba­lho e dar con­di­ções de am­pli­ar as con­tra­ta­ções. Se­rá im­por­tan­te que, na vi­ra­da do ano e de man­da­tos no Con­gres­so e no Exe­cu­ti­vo, to­das as for­ças se­jam vol­ta­das pa­ra pre­ser­var o que foi apro­va­do. Não po­de­mos acei­tar o re­tro­ces­so.

A ter­cei­ri­za­ção ir­res­tri­ta é um su­por­te ao cres­ci­men­to. O que me­lho­ra pa­ra o tra­ba­lha­dor de­sem­pre­ga­do, e são mais de 13 mi­lhões no Bra­sil, é ter em­pre­go. Não adi­an­ta 300 pá­gi­nas de ar­cai­cos di­rei­tos se não tem em­pre­go, não tem va­ga. Nos tor­na­mos o Pa­ís da in­for­ma­li­da­de exa­ta­men­te por fo­men­tar di­rei­tos ex­ces­si­vos e uma guer­ra ju­di­cial nos tri­bu­nais tra­ba­lhis­tas.

O que acon­te­ceu no Bra­sil nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das? Mais da me­ta­de dos tra­ba­lha­do­res são con­tra­ta­dos por ou­tros re­gi­mes que não o da CLT – des­con­ta­dos os mi­lhões que dei­xa­ram as em­pre­sas e fo­ram ser in­for­mais. Is­so ocor­reu an­tes mes­mo da mu­dan­ça das re­gras, ali­ás, foi o prin­ci­pal mo­ti­vo das mu­dan­ças. Re­tro­ce­der se­ria dis­cur­so pa­ra pou­cos, pois a mai­o­ria já es­tá fo­ra do mer­ca­do for­mal por cul­pa des­te mo­de­lo ven­ci­do que ser­ve pa­ra pa­tro­ci­nar sin­di­ca­tos e em­pre­gar uma mi­no­ria – que, re­tor­nan­do, se­rá ca­da vez me­nor.

O no­vo re­gi­me pre­ser­va a mai­o­ria dos di­rei­tos fun­da­men­tais do tra­ba­lha­dor, mas des­bu­ro­cra­ti­za a sua con­tra­ta­ção. Quan­to à ter­cei­ri­za­ção ir­res­tri­ta é um fe­nô­me­no cres­cen­te, até já an­ti­go, no mun­do. No Bra­sil, par­ci­al­men­te já es­ta­va im­plan­ta­da na prá­ti­ca. O que fal­ta­va era uma lei que for­ta­le­ces­se o con­tro­le pe­los ór­gã­os e a de­fe­sa em ca­so de fa­lhas na exe­cu­ção da mes­ma. Com re­gras, be­ne­fi­cia a so­ci­e­da­de.

Com a eco­no­mia em ex­pan­são, a ter­cei­ri­za­ção re­du­zi­rá em­pre­go e ele­va­rá os sa­lá­ri­os da mão-de-obra que for mais qua­li­fi­ca­da – que vai po­der es­co­lher on­de tra­ba­lhar e ne­go­ci­ar me­lho­res sa­lá­ri­os. Com a eco­no­mia em bai­xa, ne­nhu­ma no­va re­gras ou mu­dan­ça se des­ta­ca­rá. A re­for­ma tra­ba­lhis­ta sim­pli­fi­cou as for­mas de con­tra­ta­ção do tra­ba­lha­dor e a ter­cei­ri­za­ção com­ple­men­ta es­ta eta­pa. O em­pre­ga­dor não tem por­que, em uma eco­no­mia cres­cen­te, ter re­ceio de con­tra­tar pa­ra am­pli­ar sua em­pre­sa. No pas­sa­do, con­tra­tar era ris­co, so­men­te em ca­so de ne­ces­si­da­de.

Pre­ca­ri­za­ção do em­pre­go é a in­for­ma­li­da­de cres­cen­te e o tra­ba­lha­dor an­gus­ti­a­do em ca­sa, es­pe­ran­do uma li­ga­ção que nun­ca che­ga. Pre­ci­sa­mos de me­nos hi­po­cri­sia, me­nos dis­cur­so, mais uni­ão pe­lo em­pre­go e re­co­nhe­cer que as di­fi­cul­da­des pa­ra se ge­rar em­pre­gos no Pa­ís eram re­ais. Com no­vo re­gi­me e a ter­cei­ri­za­ção, o Bra­sil vai per­der o me­do de ge­rar em­pre­go e, em pou­cos anos, des­tra­van­do a eco­no­mia, va­mos atin­gir no­va­men­te o ple­no em­pre­go e vai fal­tar mão-de-obra no Pa­ís.